Decoração: quarto rústico

Olá, gatoaaanas!

Então, neste post quero mostrar para vocês decorações de quartos rústicos (que eu amo).

Sabe, nunca gostei de ambientes muito claros, não gosto de branco, muito menos de quarto inteiramente branco, sempre gostei do meu quarto com uma pegada rústica, com objetos simples e que remetem a vida no campo, com tons amadeirados.

As cores podem causar grande impacto na vida de uma pessoa. O simples fato de olhar para uma cor provoca mudanças físicas no ser humano. Sou bastante chata em relação a isso e não são todas as cores que eu gosto. Parece frescura, mas não é, rs.


        Móveis antigos ❤ 

quartos rústicos modernos …

O que vocês acham, meninas??

Bom, não sei o porquê, mas não me sinto confortável num quarto como esse:

espero que tenham gostado do post! hehe comeeeeeeentem.

Anúncios

LANÇAMENTO DA REVISTA CAPITAL FASHION WEEK

Olá, gatoaaanas! 

Entre os dias 30/09 e 02/10 aconteceu o Capital Fashion Week (CFW), onde tive o privilégio de participar da produção. Fiquei com muita vontade de postar tudo aqui no blog, mas a correria não permitiu, mas enfim, o semestre na faculdade já está acabando e agora posso postar tudo que acontecer de legal na minha vida, hehehe. 

O próximo evento de Moda que irei será o lançamento da revista CFW 2015, na Zinc Complements, 314 Sul, em Brasília. O evento irá acontecer no dia 02 de dezembro,  às 19h.

CFW-post-lancamento-revista

Versos de Caio Fernando Abreu

Vai menina, fecha os olhos. Solta os cabelos. Joga a vida. Como quem não tem o que perder. Como quem não aposta. Como quem brinca somente. Vai, esquece do mundo. Molha os pés na poça. Mergulha no que te dá vontade. Que a vida não espera por você. Abraça o que te faz sorrir. Sonha que é de graça. Não espere. Promessas vão e vem. Planos, se desfazem. Regras, você as dita. Palavras, o vento leva. Distância, só existe pra quem quer. Sonhos se realizam, ou não. Os olhos se fecham um dia, pra sempre. E o que importa você sabe, menina. É o quão isso te faz sorrir. E só.

caiofernandodeabreu: Vai menina, fecha os olhos. Solta os cabelos. Joga a vida. Como quem não tem o que perder. Como quem não aposta. Como quem brinca somente. Vai, esquece do mundo. Molha os pés na poça. Mergulha no que te dá vontade. Que a vida não espera por você. Abraça o que te faz sorrir. Sonha que é de graça. Não espere. Promessas vão e vem. Planos, se desfazem. Regras, você as dita. Palavras, o vento leva. Distância, só existe pra quem quer. Sonhos se realizam, ou não. Os olhos se fecham um dia, pra sempre. E o que importa você sabe, menina. É o quão isso te faz sorrir. E só. Caio Fernando Abreu


Oro a Deus não pedindo cargas mais leves, e sim ombros mais fortes. E tenho repetido que no que depender de mim, me recuso a ser infeliz. As coisas vão dar certo. Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa.

caiofernandodeabreu: Oro a Deus não pedindo cargas mais leves, e sim ombros mais fortes. E tenho repetido que no que depender de mim, me recuso a ser infeliz. As coisas vão dar certo. Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa. Caio Fernando Abreu

Tem horas que eu me perco sem você aqui, aí eu lembro: tá tão longe de mim. E o meu coração grita: mas tá aqui dentro.

Algumas coisas não servem mais. Você sabe. Chega. Porque guardar roupa velha dentro da gaveta é como ocupar o coração com alguém que não lhe serve. Perda de espaço, tempo, paciência e sentimento. Tem tanta gente interessante por aí querendo entrar. Deixa. Deixa entrar: na vida, no coração, na cabeça.

Um dia tu vais compreender que não existe nenhuma pessoa completamente má, nenhuma pessoa completamente boa. Tu vais ver que todos nós somos apenas humanos. E sofrerás muito quando resolveres dizer só aquilo que pensas e fazer só aquilo que gostas. Aí, sim, todos te virarão as costas e te acharão mau por não quereres entrar na ciranda deles, compreendes?

Eu não vou te pedir nada. Não vou te cobrar aquilo que você não pode me dar. Mas uma coisa, eu exijo. Quando estiver comigo, seja todo você. Corpo e alma. Às vezes, mais alma. Às vezes, mais corpo. Mas, por favor, não me apareça pela metade. Não me venha com falsas promessas. Eu não me iludo com presentes caros. Não, eu não estou à venda. Eu não quero saber onde você mora. Desde que você saiba o caminho da minha casa. Eu não quero saber quanto você ganha. Quero saber se ganha o dia quando está comigo.

Ando tão triste que às vezes me jogo na cama, meto a cara fundo no travesseiro e tento chorar. Claro que não consigo. Solto uns arquejos, roncos, soluços, barulhos de bicho, uns grunhidos de porco ferido de faca no coração. Sempre lembro de você nessas horas. Hoje, preferi te escrever.

Acredito que essa moça, no fundo gosta dessas coisas. De se apaixonar, de se jogar num rio onde ela não sabe se consegue nadar. Ela não desiste e leva bóias. E se ela se afogar, se recupera.

–  Caio Fernando Abreu